sábado, 26 de setembro de 2009

REVOLTAR-SE, MUDAR OU APENAS ACEITAR?

video

REVOLTAR-SE, MUDAR OU APENAS ACEITAR?
(a escolha é sempre nossa...)

Às vezes é preciso força e coragem para se gerar dentro de nós uma grande revolta,
um "BASTA!" , um " JÁ CHEGA" e, uma vontade de seguir em frente e encontrarmo-nos
com o que de melhor temos em nós e arriscarmos a mudança. Às vezes é necessário
ter serenidade suficiente para aceitarmos o que não podemos mudar e, deixarmos
que a corrente tudo leve e nos apazigue. Também é preciso ter sabedoria para perceber
a diferença entre uma situação e outra, entre as diferenças... entre os espaços...
entre o que as palavras dizem e os olhos reclamam. Mas, para termos noção de tudo isso
não podemos deixar de aceitar o que somos e ouvir a nossa voz interior. Na nossa vida
só podemos dar o nosso melhor e, por isso sentirmo-nos tranquilos, sem qualquer culpa
se alguém muda a sua direcção e, ela já não corresponde ao nosso caminho. As injustiças
magoam quando sabemos que estamos a tentar dar o nosso melhor mas, se pensarmos
que não poderemos agradar os outros da mesma forma que queremos, é preciso saber
aceitar essas diferenças e prosseguir sem culpas sentidas. Na vida existem inesperados,
injustiças, ingratidão, pessoas que nos usam quando necessitam e nos largam quando
não somos necessários mas, não tem que, necessariamente ser nossa responsabilidade.
As pessoas são diferentes e, fazem as suas espectativas, conforme o que almejam da sua vida.
Por vezes é bom confiar no fluxo do universo e deixar ir, ter consciência que não sabemos tudo
e, ainda há tanto para aprender e descobrir. É bom sabermos retirar na hora certa para reflectir
sobre tudo com serenidade e, acreditar que tudo tem a sua razão de ser, nada é por acaso.

Claro que não devemos menosprezar os nossos sentimentos, sejam eles quais forem mas
devemo-nos afastar um pouco deles e, não agir enquanto dominados pelo sentimento, porque
o que sair pode não ser o mais indicado na altura. O melhor mesmo é desabafar para um papel
e queimá-lo depois, esmurrar uma fronha, cantar. dançar, ou fazer desporto para que tudo
se desvaneça e, a cabeça possa tudo racionalizar da melhor forma. É negativo para nós próprios
deixamo-nos banhar de sentimentos negativos... eles enfraquecem-nos, adoecem-nos,
apodrecem-nos por dentro, o melhor é lavar a alma numa actividade que nos dê prazer ou,
simplesmente tomar um longo banho de emersão e deixar relaxar a vida.
Uma coisa devemos ter como certo dentro de nós... tudo o que é para nós os ratos não roem,
passe o tempo que passar e, a partir daí, passemos a viver a vida da melhor forma e a dar
o melhor de nós. Viver só é complicado quando nós assim desejamos porque a vida é fácil
mas o ser humano adora complicar. Manter dentro de nós sentimentos e pensamentos que
nos magoam é uma fraude contra nós mesmo. Ter muita fé para continuar em frente e acreditar
na sua própria Luz. É preciso serenidade para aceitar o que não se pode mudar, tal como
é preciso ter força e determinação para mudarmos tudo o que pudermos mudar na nossa vida
e, alguma sabedoria para perceber as diferenças, respeitá-las e, seguir em frente. Muitas vezes
optamos, nos momentos mais cruciais da nossa vida, por decisões incorrectas, levados
por uma motivação que não a nossa mas momentâneas ou baseadas em incertezas.
As escolhas todos nós temos de as fazer, como fazer as mais acertadas é que é mais difícil,
no entanto, se nos retirarmos na altura certa e digerirmos ou canalizarmos as frustrações
para outro lado, onde não nos magoemos nem magoemos outras pessoas mas, possamos
entender tudo dando uma certa distância, sem que se tenha de agir apressadamente.
Devemos aprender a dizer sim a tudo o que nos beneficia e nos ilumina ou apazigua o nosso
caminho e, não ao que nos entristece, ao que possa alimentar más energias, ao que poderá
ser uma cartada de dificuldades, distinguindo sempre a ilusão da realidade em cada situação.
É muito bom estarmos abertos à ponderação interior, ao precisar de reflectir tudo o que somos
e queremos, sem deixar que as azáfamas da vida nos corroa por dentro. Há queijo para todos
e, todos nós temos obrigação de tudo fazermos para encontrar a nossa parte, sem deixamo-nos
derrotar pelo inesperado menos desejado. Temos uma vida para viver e, somos responsável por
ela nos bons e nos maus momentos. Navegar no mar que é a vida é uma grande aventura e,
é necessário ter muita coragem diáriamente para saber colmatar os ventos e as tempestades,
aproveitando os momentos brandos para nos darmos ao prazer de aprender a sermos felizes.
Cada um de nós é responsável pela sua própria vida e, não a devemos deixar afundar em vão.
Surgem sempre problemas inesperados, más surpresas e depois? O mundo não acaba e tudo
o que não nos mata fortalece e prepara-nos para a grande caminhada que é a vida. Face
aos problemas, cada um de nós tem a possibilidade de recorrer aos seus talentos e pontes
fortes para fazer com que a sua vida prossiga, amando tudo o que é, sem culpas. Por vezes
barramo-nos com situações desanimadoras, é verdade, forças que nos empurram para baixo
e, parecem querer-nos engulir mas, é nossa obrigação afastamo-nos e não nos deixarmos
enganar pelo ilusório e os "ses" da vida. A nossa vida deve ser o foco mais importante da nossa
existência e, não devemos deixar afundá-la por respeito a tudo o que somos. Sim, é preciso
ter coragem para se debater todos os pontos, tentar entender, GRITAR, CONTRAPÔR,
SOLTAR AS AMARGURAS mas, com serenidade lembrarmo-nos de tudo o que somos
e queremos. Revoltar, mudar, ou apenas aceitar?... Cada um deve decidir o que é melhor
para si.

Luísa Abreu
26/09/09

terça-feira, 22 de setembro de 2009

PALAVRAS GASTAS...



PALAVRAS GASTAS...

Há muito se ouve que as palavras estão gastas. Que nada mais há para lá do silêncio frio e distante da ocasião. Diz-se também que o AMOR é uma das palavras já gastas mas, discordo desta ideia. Oamor é uma palavra pequena mas, com significados enormes e nobres. O amor para mim tem vários pesos e medidas, tal como a lua não é olhada com a mesma magia quando aparece de dia, porque a noite é o seu verdadeiro palco. O amor não pode ser visto apenas como a ligação entre dois seres que fazem juras de amor próprias da época porque é um leque vastíssimo de cores. O amor existe quando estamos numa sala de parto, quando abraçamos a mãe ou o pai com carinho e, vice-versa, quando olhamos para um irmão ou irmã querendo protegê-los dos males do mundo. O amor existe também com o nome de AMIZADE, aquela que se mostra verdadeira e presente nas nossas ascenções e quedas. E para já é deste que vou falar, não da amizade dos copos, não da amizade de conveniência, não da amizade colorida... mas da verdadeira amizade. Aquela que nos aceita e respeita como somos, elevando as nossas qualidades e, esquecendo até os defeitos. Não, o amor/amizade não é uma palavra gasta se assim não quisermos mas, temos sempre que olhar os dois lados e respeitar as diferenças.

Há um estudo interessante feito por quem é entendido nas questões interpessoais, muito mais do que eu, pequena aprendiz, onde diz que as boas relações de amizades aumentam a nossa qualidade e, anos, de vida. Ter um amigo é cada vez mais precioso, as pessoas moram do nosso lado mas parecem mais distantes que, aquelas que nos falam pela internet do outro lado do oceano. Perdem tempo com observações idiotas. Perdem tempo a saber porque outro/a vizinho/a tem o carro que não podem ter ou, porque a casa é comprada enquanto a sua é alugada. A verdade é que todas estas preocupações são ninharias perante a solidão que o mundo vive. Tanta gente prefere ocupar-se da vida do alheio porque a sua está vazia, em vez de tratar de cuidar desse vazio e, preenchê-lo com o que realmente vale a pena.

Não creio que as palavras estejam gastas, creio pois, que as pessoas deixam que exista um muro cada vez maior, com a falta delas, com medo de as usar, com medo... quando o medo é a pior prisão do mundo, pois pode levar ao suicídio, como já o mundo averigou tantas e tantas vezes.

Existem olhares que só por si falam essas palavras, existem abraços que revelam o seu significado, existem amizades que crescem e se desenvolvem, tornando-se o melhor do mundo e, existem outras que simplesmente preferem fechar as portas a ter que chorar de novo. A vida é isto mesmo. O complexo entre as palavras bonitas e feias, a descoberta diária e a aceitação do outro e de si próprio. A vida é todo um conjunto de palavras e escolhas que se fazem. Há quem escolha bater a porta e não dar-se ao prazer de viver toda a complexidade desta vida, com as descobertas, a aceitação, os momentos bons ou menos bons. Fecham-se com portas de dor e de medo. Fecham-se para que o peito não mais sangre neste difícil crescer de almas que é a aprendizagem diária. Doi crescer, doi muito... não é pera doce para ninguém mas, é um processo que só passa quem tem o prazer de estar vivo e, saber aceitar todos os altos e baixos é uma benção do universo. Um simples pôr-do-sol, em toda a sua complexidade, pode ser fascinante. Molhar os pés no rio e deixar-se estar a beber da melodia das correntes é uma dádiva que poucos sabem apreciar. A amizade é como um rio, onde é preciso saber conduzir ou remar o seu próprio barco sem nos esquecermos dos outros que passam e agradecer os que param para apreciar-nos, mesmo que por momentos.

A amizade é um rio calmo e sereno. É o verdadeiro abrigo que nos acolhe nas horas incertas. Este tipo de amor partilha e aceita, abriga e compreende, acarinha e é leal. Está presente quando menos esperamos mas, tem variadíssmos graus de intensidade... mesmo o verdadeiro não é igual para todos, dando-se a todos com a mesma sinceridade. Reconhece em todos os elementos as suas diferenças e a melhor fórmula de, a cada um, chegar. No entanto este amor/amizade apesar de compensar muitas horas em muitos abalos, só se permite ficar nestes calmos lagos para não se perder. Nem sempre é bem entendido, nem sempre é aceite com calma ou serenidade... por vezes sente a frieza da desconfiança. Este tipo de laço que une muitas pessoas nem sempre é apertado da mesma forma e, a palavra amor, nem sempre é aqui entendida da melhor maneira. Há quem tenha medo desse laço, mesmo desejando atá-lo, e fuja constantemente contrariando assimo seu próprio desejo quase, incoscientemente.

Na verdade a amizade é um campo de amor lato, o facto de se dizer a alguém, amo-te, não quer dizer que ultrapasse a fronteira da amizade visto que esta é um tipo de amo ou laço de amor, como se queira entender mas faz parte das relações interpessoais, que tanta gente teme, considera confuso e, dentro de si nem sabe, por vezes resolver.

O facto de eu dizer a alguém que conheço amo-te, pode-se entender de várias formas mas, jamais querendo ultrapassar fronteiras que nem foram visualizadas. Desde muito cedo que me apaixonei por esta palavra e, sinto que a humanidade precisa de a ouvir mais vezes sem preconceitos, banalizações ou, até sem conotações pré-concebidas. Sim, sei que não é perceptível para toda a gente mas, o amor não pode ser igual para com ninguém. Nós amamos os nossos pais de foram diferente da que amamos os nossos irmãos ou filhos. O amor é um terreno imenso de comoção, compaixão e, traz-nos sempre o consolo de nos entender, mesmo que por minutos. Amo várias pessoas que estão na minha vida e, todas de diferente forma mas aliádas com a verdade de saber que sou ou o que sou, sem problema de soltar o calor de um abraço. Normalmente, um acto que não é muito perceptível à maioria das pessoas. Existem as conotações, as falsas crenças, o tipo de educação que tudo difere, as culturas e tantos outros lugares comuns que, por vezes tente a banalizar essa dádiva. Jamais será banal dizer a alguém que se ama, mesmo que algum dia esse alguém despreze, por alguma razão o abrigo que já teve nele. Amo-te, é uma palavra que pode ter a intensidade que o lugar lhe der, por vezes só tem o que se quer ouvir e, nem sempre quem o diz fá-lo com a mesma intensidade do que sente quem o ouve - isto seja qual fôr o tipo de amor. Tenho sentido que mesmo entre entes familiares não me é permitido dizer amo-te, se o fizer publicamente porque há sempre aquele/a que teme que estranhos a ouçam proferir e pensem algo de mal mas, que mal poder ter esta palavra? Eu gosto dela, gosto de a usar, de a estragar, de a mimar...

O amor é um conceito muito incompreendido, acho que sempre foi porque as pessoas definem que falar de amor tem que ser entre casal e, pior, que o casal tem que ser constituídos por dois sexos diferentes. Apesar de ter sido educada com esses valores, há muito que os considerei demasiado descriminatórios e elitistas e, aceito que o amor, memo que seja o amor que arde sem se ver, como dizia Camões, não tem que ser restringido a um homem e uma mulher. Considero que este é o tipo de amor que tem uma outra química que não a amizade, apesar de se misturar por vezes. Neste tipo de amor existe o calor da paixão e, quando esta acaba, ficamos com a certeza que jamais poderia ter sido amizade, visto que esta raramente permanece. Por muita intimidade que haja entre duas pessoas que se amam desta forma, a experiência diz-me que não é possível manter o tal amor/amizade. Há quem tente e quem diga que sim. O que tenho observado até hoje é, que nestes casos onde alguém designa que o que os une é a amizade, revela-se quase sempre que, um dos elementos e normalmente o que aceita contrariado a situação mantém o interesse da química da paixão aceso e, é esta que os mantém juntos até que seque e, neste caso verifica-se a separação definitiva não sobrando seja o que fôr. Infelizmente, por vezes nem o respeito fica para manter a saudável convivência, não existe, ponto assente.
Estamos no século XXI mas tanto preconceito ainda ficou arreigado na nossa sociedade, continua-se a querer esconder o tal parente que se apaixonou por uma pessoa do seu sexo, porque não fica bem. O que ficaria bem seria que as pessoas entendessem que as pessoas em questão já passam por lutas interiores enormes e, não precisam de actos descriminatórios. Muitas pessoas têm-se por liberais e para a frente mas mediante um caso destes preferem calar, ignorar e, até fazer de conta que nunca souberam porque fica feio sequer dizer que se é parente ou amigo de alguém que seja gay. Tão feio e tão mediucramente provinciano mas, quem sou eu para julgar seja o que for, apenas tento perceber o que vai na mente de cada um mas, nem sempre consigo... também tenho os meus limites de percepção... que fazer? Da minha parte só posso entender e estar presente, acarinhar se necessário e, jamais abandonar um amigo por estas veleidades sociais. Estimarei sempre quem me estimar, ignorarei sempre quem não me suportar, ou simplesmente se sentir capacitado para criticismos. Aprendi que devo respeitar quem me respeita, amar quem me ama, e compreender quem me compreende mas, sei que nem sempre é assim e, há razões que a própria razão desconhece. No entanto, tento seguir a minha regra de lealdade, respeito, compreensão... sabendo sempre que a minha liberdade acaba onde começa a dos outros mas, nunca deixando que pisem os meus sentimentos ou julguem mal o que dou. Até hoje nada fiz por um amigo ou amiga que implicasse uma segunda intenção, fosse qual fosse. O que está sempre implícito acho que é o normal em qualquer relação interpessoal, a lealdade, o respeito e a aceitação de tudo o que somos. Será uma utopia minha?! Só sei que nada sei!

O amor mais puro que conheci até hoje, aquele que nada pede em troca, que se dá livre, sem preconceitos, sem querer exigir muito mais mas dando-se naturalmente como se já estivesse implícito é o amor que senti aos primeiros movimentos dos meus filhos. Esse amor, ao princípio fragilijou-me, baralhou, deixou que surgissem incertezas, apesar de nenhuma se relacionar com eles mas, revelou-me muitos caminhos, e a verdade de ser humana. Fortificou depois tudo o que acreditava, tudo o que desejava dentro de mim, abrindo-me horizontes a outras percepções. Este amor é enorme, não conhece fronteiras que não sejam as fronteiras do respeito, tolerância e aceitação. A compreensão das nossas semelhanças e diferenças, o crescimento mútuo que respeita espaços e, reconhece a dimensão de todas as palavras. Sim, ser mãe foi um acto de amor para com a natureza, a criação de tantos caminhos que temos que escolher, foi a decisão mais acertada da minha vida, aquela de que nunca me arrependi e, aquela que me levou a enfrentar quem viesse e o que viesse. O amor mais forte que alguma vez me foi possibilitado experimentar foram na verdade os meus filhos. São os seus abraços que me acalentam nas horas menos doces da minha vida. O brilho dos seus olhos que me dizem para ir mais além e conquistar os meus sonhos.



AS PALAVRAS ESTÃO GASTAS

As palavras estão gastas
De lágrimas e vãs tentativas
Para entender o mundo neste rebuliço,
As palavras estão gastas
De sonhos e falsas verdades
Em ilusórias directivas
De quem conheceu outras liberdades
Mas, bendita seja eu por tudo o que não sei,
Bendita, porque bebo tudo com a intensidade

De quem sabe que há o sol,
Que se estende em asas de saudade
E vem em nome da luz e da vida, sei
Ou não sei o que é inscrito em rol
De palavras vãs e já gastas
De tanto serem empurradas para o castigo
De adornarem interesses e falsidades,
A palavra já está gasta
E, até o sonho que pode ser amigo
Deixa-se correr em cachoeira casta
Dos enganos da publicidade...

Quando menina sonhava com o mar,
Sonhava nas palavras poder rebuscar
Todos os significados da melodia,
Todas as certezas da harmonia,
Na adolescência gritava o sabe-tudo
E deixava correr palavras vãs no rio,
Agora desse tempo me rio
Pois passado tanto tempo já não me iludo,
Só sei que nada sei...
Só sei que nada sei.

Luisa Abreu
17/09/09