quinta-feira, 26 de novembro de 2009

PARA QUE SERVEM OS JOGOS DE PODER?


Quem souber que responda... este vídeo é para ver e pensar profundamente na direcção que o mundo está a tomar.




atchimmmmmmm!.....


domingo, 8 de novembro de 2009

OS POUPADINHOS DA EUROPA


video


OS POUPADINHOS DA EUROPA

Cá estou de novo com os meus textos de indignação – já vocês se julgavam livres destas coisas não é? Pena, só lê quem quer... e a mais não é obrigado – De facto, comecei a escrever ontem mas a internet fechou e, como sinto que tudo o que vem, a mal ou a bem, tem uma razão de ser, resignei-me e desisti de o fazer. No entanto, resolvi que hoje, com a cabeça mais fria e o peito mais distante destes assuntos problemáticos do nosso país – sim, já reparei que as notas são estrangeiras mas pá, somos “cidadães do mundo não é assim?” , uma parvoíce à parte para uma conversa que ouvi no telejornal. E o que fui fazer. Claro que os meus habitués leitores vão dizer:
- Mas que manganona e ela que sempre disse que não gosta de ver televisão. É verdade amigos, tenham calma, não gosto mesmo mas, há dias em que tem que ser ou apetece, sei lá bem...
Na verdade, estava eu à conversa com uma amiga que me dizia estar a ver os Ídolos e que estava distraída, sim que as parvoíces também distraem. Como os meus textos (risos). Então peguei no meu portátil e lá fui até à sala ver do que se tratava porque também me farto de estar na net ou, simplesmente ultimamente não tenho tido paciência devido ao corre-corre diário dos afazeres da vida rotineira que muitos de nós, apesar de não gostarmos, temos. Bom, assim que liguei o canal, percebi logo porque continuo a não gostar de ver televisão mas, ri-me... sim, que me desculpem os corajosos que lá vão soltar a voz e, desde já os meus parabéns também porque jamais o faria. Não tenho nem voz, nem carisma para ídolo. Prefiro continuar a brincar nos karaokes ou a soltar-me na minha casa de banho, assim, tenho a desculpa de estar entre amigos a curtir sons que se soltam do peito e nos limpam as mazelas e, na segunda hipótese só chateio o vizinho (risos).

Não foi, de todo, este programa o que mais me indignou, pelo contrário, ri-me que fartei. De tanto fartar resolvi mudar de canal e, depois de brincar ao zapping, que também normalmente detesto fazer mas na altura estava a ser engraçado, parei no telejornal de um outro canal que me vez soltar outros risos. Mais sarcásticos, mais estranhos talvez. Fiquei parva com a grande notícia da noite. Depois de tanto se falar em crise pelas ruas e cintos apertados e tal... vim a saber que é tudo uma grande mentira do povo. Ah! Pois é! Temos um povo mentiroso e poupadinho. Então não é que a locutora disse seriamente olhando para mim – mas aposto que ela estava danadinha para se rir da própria notícia. Disse-me a íris da própria que a não deixou enganar-me: - Os portugueses estão cada vez mais poupados, apesar do Estado gastar mais. - Bom, confesso que ao princípio a segunda parte ficou um pouco longe da minha gargalhada. Tentei imaginar os portugueses os mais poupadinhos da Europa, visto que, segundo a notícia eramos um dos povos mais gastadores, será?... E lembrei-me da Martinha pela rua a fotografar os poupadinhos e nós a pensarmos que eram apenas gente sem recursos financeiros. Andará a Martinha enganada? – Com todo o respeito por ti e pelo teu trabalho amiga que parece que há quem ande a gozar com ele, não concordas comigo? – E pensei... CARAMBA! Afinal andamos todos enganados, a crise que já vem da época do Salazar para cá, não é crise, são precalços do tempo. Alguns abanos de terra, tufões e arrebites do tempo. O povo português é um guloso que só quer gastar e lamentar-se, gritar aos sete ventos que anda sempre em crise. Gente descontrolada é o que é! Como já vi em alguns jornais nas colunas de opinião, a opinarem sobre a actual crise.
Pronto amigos, entrei eu em crise da cabeça aos pés só de me lembrar que tenho amigos com que me dizem ter dívidas, o carro para mandar arranjar, a casa para pagar, o ordenado que não chega, etc, e tal... serão todos mentirosos ou apenas poupadinhos? Eu mesma senti-me mais aliviada porque tenho sentido os reflexos da crise e a tentar puxar de um lado ou de outro para manter a gestão económica da família no caminho certo para poder dar-me ao luxo de me soltar de quando em vez e agarrar-me à cauda de um avião para ir à terra – caraças, ultimamente não tem passado aviões aqui perto de casa – e afinal ando a mentir-me a mim própria só para poder fazer umas poupanças bancárias (risos). Resolvi procurar nas gavetas e nada de papéis a comprovar essas poupanças tão proclamadas naquele écran milagroso que me fez sentir mais leve. Depois pensei, bom acho que são afinal os amigalhaços que andam a gozar com a minha cara quando dizem que não podem ir a tal sítio porque não há dinheiro pa gasolina ou porque o dinheiro do ordenado não chegou porque o desgraçado do patrão diz que anda em crise. Como é que sabendo o que sei que se passa a nível geral posso imaginar os portugueses a poupar cada vez mais. Melhor... como posso imaginar que os reformados andam a investir nos depósitos a prazo? Os meus neurónios já andavam a ficar fundidos de tanto pensar. Sabem como é... sou teimosa... presistente, chamem o que quiserem mas, se há coisas que não gosto é de me sentir enganada e foi quando resolvi começar a escrever mas algo fez a internet fechar porque o telejornal ainda não tinha terminado e, lá resolvi ver e ouvir o resto. No entanto, a poupança não me saía da cabeça quando... finalmente soou-me de longe o resto da frase “... e o Estado anda a gastar mais. Mas tem que aprender com o povo a saber poupar.” Ficou mesmo tudo estragado e dei um salto no sofá. FÓNIX! Como é que pode ser? Então quem anda a fazer tantas poupanças para dar de gastar ao Estado desta forma? Acho que vou aproveitar o Halloween e levar isto numa brincadeira assustadora do noticiário. Ri-me, disse atrocidades, falei com o meu gato, cantei, falei com a Márcia que entretanto se tinha ausentado a pensar nas suas poupanças. – se leste isto deves estar doida de risos... desculpa amiga, ter-te usado desta maneira. Mas, lembrei-me também das minhas poupanças e fiquei revoltada... ora bolas! Mas continuo eu a saber de que poupanças estariam eles a falar... ou gozam comigo ou a malta que anda na rua com um ar esfarrapado, anda a fazer poupanças para um futuro que não consigo imaginar qual, e resolveu dar uma “frescura” na sua rotina e passear por aí a contemplar o País. É pá deviam de andar todos de máquina na mão, talvez fosse mais interessante. Disse isto porque me lembrei de ler algures que o nosso ilustre António Cardoso disse que o fotógrafo é um vadio. – Isto sem desprimor para o fotógrafo em questão e, apenas usando uma achega metafórica – Pois, se calhar é isso... são todos fotógrafos e os gajos do Estado andam a chamá-los vadios e querem é colocá-los em local apropriado para que lhes encham os bolsos com os impostos. Não há volta a dar a não ser que a malta toda tenha família na Inglaterra a ganhar o guito todo e a mandar para o pessoal colocar na poupança, anda aí muita informação escondida. Se a rainha sabe disso manda deportar todos os portugueses (risos).
Sabem do que me deu vontade? De meter-me em Belém... sim, a culpa deste pensamento foi de um comentário do amigo (risos)... porque lá é que se gasta bem e afinal os economistas andam todos cá fora. Que fazem estes especialistas fora dos seus postos? Ora que vão lá ensinar o Estado a poupar pá que nós já estamos fartos de tantas poupanças. Eu gosto de viver o presente. Claro que penso no futuro para amanhã não cair num abismo porque sei que o futuro chegará e depois será presente e cá andamos nesta roda viva recordado depois o que já é passado. Ai que já me troquei todinha...lolol. Comecei a fazer contas para ver... pois só nos cartazes para as eleições é um balúrdio, metade para os bolsos nem sei de que poupanças... depois os gastos dos pneus, arranjos de carros em desgaste pelo país – sim que isto de fazer “apresentações públicas” e promessas a tanta gente dá muitos gastos, fora depois as viagens que são obrigados a fazer em nome da diplomacia e da boa vizinhança. É pá... temos mesmo que poupar para que aquela gente nos possa representar bem lá fora. Mas depois pensei:
-Puxa! Como podem representar-nos bem, sabendo que houve tanta abstenção? Ah! Claro, isto é como no futebol, o que interessa é ganhar e, é sempre bom deixar a abstenção descansadinha e poupá-la para outras eleições caso seja necessário. Bom, sendo assim, temos muito poupadinhos mesmo que deixam alguns gastadores decidirem o futuro do país... afinal sabem lá se amanhã irão cá estar? Depois revoltei-me comigo própria... sim... porque faço parte dos poupadinhos... pá não me abstenho de muita coisa na vida mas como posso eu abster-me de levar os meus putos à Disney para que o Estado possa gastar mais? Fogo! Tenho mesmo que averiguar se tenho dinheiro no banco e tirá-lo todo... se é que já não mo tiraram (galhofada da grossa).

Com os fusíveis em ebulição lá resolvi ir descontrair para a net e fui ouvir umas coisitas no “utubias” como lhe chamo na brincadeira e todos já sabem o que é de certeza. Pois é. Dei comigo envergonhada com uma atitude que lá tive há uns tempos atrás. Infelizmente, em vez de descontrair, sem querer accionei um vídeo onde a Maité Proença fazia umas graçolas sobre Portugal e os portugueses e, li a minha resposta de indignação. Foi tamanha a vergonha que já o esqueci mas, não me esqueço de referir o caso. Sim, Maité é uma atriz que aquando da minha adolescência gostava muito de ver actuar, entre outros que me faziam passar algumas horas em que não sabia bem o que fazer ou, teria que esperar os amigos para sair. Tempos idos mas muito bonitos. Por respeito a esses tempos vou continuar a escrever... já não me lembro muito bem o teor da minha indignação no momento, sei que foi sentida e revelou alguma mácula do meu orgulho em ser portuguesa. Hoje reli, alguns e senti uma tristeza. Pois é amigos, podem bater-me achincalhar-me, fazerem o que quiserem mas não era caso para dizer a maioria das coisas que li em tantos comentários revoltosos. Na verdade, mostramos mesmo que somos portugueses e que temos muito carinho pela actriz em questão ou, caso contrário, nem lhe teriamos dado qualquer palavrita no “utubias” ou seja onde fosse. A pobre da rapariga bebeu um “binhinho do Puorto” a mais e comeu uns pasteizinhos de Belém à conta das nossas poupanças e pá lá deixou sair o oposto do que era hábito dizer sempre que cá chegava e saía: - Eu amo Portugal. Amo os Portugueses. Somos povo irmão. – Na verdade todos os portugueses se sentiram ultrajados, eu própria reagi. Por isso ontem resolvi dormir primeiro para poder escrever de longe de tudo. Bom, já vi muito bom português a brincar com coisas brasileiras e pior, a gozar – não como os brasileiros o conotam, este é um gozo diferente...será?! Desculpem amigos. – do seu próprio país. Depois pensei, fónix... vê-se tanto xabrega por aí a dizer que Espanha é que está a dar que os portugueses são uns merdas sem educação nenhuma... que na Holanda é que é tudo como deve de ser... que deviamos seguir o exemplo do resto da Europa e tal. Digam-me lá! Isto não parece aquela saga da nossa amiga Mafalda da banda desenhada, onde ela dizia mal dela própria com todos os nomes que pudesse e, na altura que a amiga se aproveitou para lhe chamar burra, levou logo um estalo? Visto de longe parece-me bem e lá me vou rindo de novo. O grande erro da maioria dos comentários não é a indignação pelo que disse ou brincou a Maité mas o facto de se posicionarem no facto dela ser brasileira e aproveitarem para atacar os que cá vivem. Se bem me lembro, tenho alguns tios no Brasil e muitos primos que já nasceram por lá e, julgo que devo ter algum respeito por eles e por outros portugueses que por lá proliferam. Desta forma como encararia eu o facto se um deles mandasse uma daquelas anedotas à moda do Alentejo mas incluindo a cultura brasileira e, por essa razão, todos os outros fossem atacados, achariam bem? Eu não... por isso e depois de pensar e, apesar do meu comentário apenas se ter referido à Actriz, penso eu... já nem me lembro bem mas acho que ficou à vista de todos. Sim, reconheço que não gostei da forma como foi expressa toda a brincadeira mas, depois lembrei-me das que faço ou já fiz entre amigos. Das que vejo outros fazerem também e já só posso dizer que é provocativa apenas porque vem de uma figura pública que, apesar de tudo foi sempre acarinhada pelo nosso povo. No entanto, não me quero esquecer que todos nós somos humanos e caímos nas nossas próprias ciladas humorísticas que os outros nem acham muita piada. Eu própria corro muitos riscos destes, apenas com uma vantagem, não sou figura pública e não me é imposto esse cuidado redobrado. Mas acreditem que em relação ao assunto vi outros vídeos ainda mais vergonhosos que pareciam uma guerra aberta de xenofobia e até mete dó ver tanta porcaria exposta naquele site. Bom, uma ilacção tirei, é assim que se começa uma guerra mundial, da forma mais estúpida que podemos verificar se entrarmos no “utubias” e pesquisarmos o nome da actriz. Só vemos respostas e contra-respostas em vídeo que mais valia ficarem quietinhos porque em vez de se mostrarem à altura da sua condição ainda enterraram mais o que pretendem defender, a nossa cultura. E porquê? Vejam tudo com atenção se tiverem tempo para tanta porcaria e verão que entre vídeos e comentários pouquíssimos dizem uma para a caixa. E porque não estou por lá? É simples, resolvi que não meteria o meu nome no meio de tanta porcaria... ainda tentei, juro que tentei mas... era demais ver tanta coisa ridícula e ficar mal acompanhada. Acho que se devia pensar melhor antes de fazer aquele tipo de coisas. Pois ok, sei que corro o risco de irem à minha página e gritar que “aquela porcaria é que não tem qualidade” pelo menos tenho a consciência que não ofendo ninguém nem estimulo guerras culturais ou xenofobias e aí sim, durmo feliz.

Bom, visto que somos “poupadinhos da Europa” vamos lá poupar tanto desgaste e, separar o trigo do joio e não cruxifiquem a maioria pela minoria, caso contrário seria uma desgraça pegada neste nosso mundo já com tanta coisa para chorarmos que até nos faz rir de tanto pensar.

Ainda estou a pensar onde andam as minhas poupanças....(risos) E vocês, não?!

Luísa Abreu





sexta-feira, 9 de outubro de 2009

TRIBUTO A FERNANDO PESSOA


http://www.youtube.com/watch?v=eOTHlK_4goQ


PARA SER GRANDE SÊ INTEIRO

Para ser grande sê inteiro:

Nada teu exagera ou exclui,

Sê todo em cada coisa,

Põe quanto és no mínimo que fazes.

Assim em cada lago, a lua toda brilha,

Porque alta vive.

Ricardo Reis

HETERÓNIMO DO GRANDE FERNANDO PESSOA

Fernando António Nogueira Pessoa com o percurso de vida de 13 de Junho

de 1888 a 30 de Novembro de 1935, mais conhecido como Fernando Pessoa,

foi um poeta e escritor português. Pessoa media 1,73 m de altura, de acordo com

o seu Bilhete de Identidade. A causa de morte registada no seu assento de óbito

de Pessoa indicou "bloqueio intestinal".

É considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa, e o seu valor

é comparado ao de Camões. O crítico literário Harold Bloom considerou-o,

juntamente com Pablo Neruda, o mais representativo poeta do século XX. Por ter

vivido a maior parte de sua adolescência na África do Sul, a língua inglesa

também possui destaque em sua vida, com Pessoa traduzindo, escrevendo,

trabalhando e estudando no idioma. Teve uma vida discreta, em que atuou

no jornalismo, na publicidade, no comércio e, principalmente, na literatura,

onde se desdobrou em várias outras personalidades conhecidas como seus

heterónimos, Ávaro Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro. A figura enigmática

em que se tornou movimenta grande parte dos estudos sobre as suas vida e obra,

além do fato de ser o centro irradiador da heteronímia, auto-denominando o autor

um "drama em gente".

Morreu de cólica hepática aos 47 anos na mesma cidade onde nasceu, tendo a sua

última frase sido escrita na língua inglesa: "I know not what tomorrow will bring...

" ("Não sei o que o amanhã trará").

Manuel Vilhena de Carvalho, um seu leitor infatigável de Fernando Pessoa, devotado

coleccionador das suas obras que se debruçava sobre questões em aberto na vida

e obra do Poeta, onde propunha algumas soluções. Este grande Poeta exercia para

alguns um fascínio que implicava a total fidelidade de uma vida, ora na busca da obra, do primeiro livro, de tudo o que de alguma forma pudesse falar do poeta. É um fascínio por vezes começado na escola, onde cuidadosamente fora cultivado, permanecendo assim, na tentativa da descoberta da personalidade do poeta e daqueles pequenos pormenores que não interessam aos críticos. Há um grande interesse pela sua obra, devido à riqueza da obra repartida por outros poetas e escritores, seus heterónimos.

Referiu que em 1950, aparece uma obra de valioso e reconhecido mérito, cujo autor

é João Gaspar Simões, intitulado Vida e Obra de Fernando Pessoa, no entanto é fulcral

as suas notas repletas de inexactidões e erros. Estes não aparecem por acaso, são factores

dados por outros ensaístas e críticos mas que foram aceites como verdadeiras certas afirmações

ou até interpretações mas maior exactidão teria se a sua obra fosse repensada por ela mesma,

no seu todo. As obras conhecidas foram publicadas após a sua morte, se o tivesse efectuado

em vida, Fernando pessoa talvez nem tivesse tempo para os organizar a todos, visto que a sua

obra era composta por mais de duas plaquettes, 35 sonetos em inglês, o Antínous também em inglês,

a Mensagem em Português, de tantas obras que se possa debruçar ou discutir, é difícil tirar uma

resposta concreta. No entanto em vida ele publicou centenas de poesias e também textos em prosa

espalhadas por várias dezenas de revistas e jornais. Fernando Pessoa foi o seu primeiro grande

seleccionador, visto que publicou aquilo que considerava ter maior interesse. Ficou no ar respostas

como o porquê dele não ter publicado toda a sua obra, visto que não lhe seria difícil conseguir

editor como faziam muitos dos seus contemporâneos e, como ele próprio obteve para publicar

a Mensagem e as duas edições dos seus poemas em inglês. Será que ele pensaria que a sua

obra só seria entendida muitos anos depois? Andou no ar a ideia de que o autor fez alguns planos

de organização da sua obra. É do conhecimento geral a polémica existente entre Gaspar Simões

e Jorge Nemésio quanto à divergência de apreciação das indicações para a organização da edição

existente no próprio espólio de Fernando Pessoa. A sua personalidade era complexa, obscura, tortuosa

e, manifestava o drama da sua própria existência que, encontrou a resolução nos seus heterónimos,

um todo dividido e unido ao mesmo tempo. Pensa-se que a história dos heterónimos de Fernando Pessoa

marca, não o desdobramento de personalidade mas, uma atitude intelectual de multiplicação das diferentes

facetas de si próprio. É paradigmático o episódio do anúncio a amigos da existência de um poeta da Galiza

que dava pelo nome de Alberto Caeiro perante o que um deles afirmava conhecer muito bem, levando a que

Pessoa tenha dado vida àquele poeta inventado.

Mensagem é o poema controverso que deu origem a variadíssimas interpretações e, a algumas tentativas

de aproveitamento político. No entanto, ao contrário do que queriam fazer parecer querer, não se tratava

de um livro nacionalista pois os seus poemas datavam de um tempo muito afastado do tempo em que fora editado

e, reflecte apenas a ideia que Pessoa tinha da projecção de Portugal no Mundo, sendo por isso um livro muito

mais messiânico do que nacionalista.

Fernando Pessoa era também um estudioso da astrologia e, pretendeu até abrir um consultório em Lisboa. Augusto Ferreira Gomes, um seu amigo e escritor, no seu livro No Claro/Escuro das Profecias escreve como dedicatória “À memoria do astrólogo Fernando Pessoa”. E do conhecimento de muitos que Pessoa traçou o horóscopo dos seus heterónimos, entre outros o de Orpheu, o de Sá-Carneiro e o de Portugal. De personalidade multifacetada o poeta ressalta com frequência um ou outro episódio onde o humor domina, onde Pessoa parece querer ser o centro de uma história, o motivador de uma qualquer situação interessante. Ele não seria apenas uma pessoa séria e introspectiva mas tinha também do seu lado um sentido de humor notável. Formou-se em seu redor a ideia de um homem só, no entanto Pessoa cultivou ao longo da sua vida muitas amizades, sendo a mais conhecida a que travou com Mário de Sá-Carneiro. Fernando Pessoa correspondia a essa amizade a ponto de nem se furtar ao encargo de tarefas menores como aquela em que vai ter com a ama de Sá-Carneiro e lhe pede o cordão, o empenha e, envia o produto do penhor ao amigo. Manuel Vilhena de Carvalho desejava poder ter na sua biblioteca todo o espólio da obra de Fernando Pessoa, considerada por aquele como a riqueza do conhecimento.


Curiosidades

Armindo Freitas-Magalhães, professor universitário criou um inédito programa de literacia

emocional, inspirado no verso de Fernando Pessoa Se às Vezes as Flores Sorriem (2009).

Após ter combinado um encontro com José Régio Pessoa apareceu declarando ser Álvaro

de Campos e pedindo perdão por Pessoa não ter podido comparecer ao encontro.

Ele trabalhou como correspondente comercial, num sistema que hoje denominamos free lancer. Assim,

Fernando Pessoa podia trabalhar apenas dois dias por semana, dedicando os demais, exclusivamente,

à sua grande paixão: a literatura.

Cecília Meireles, poetisa, professora e jornalista brasileira, veio a Portugal em 1934, para proferir

conferências na Universidade de Coimbra e na Universidade de e realizar o seu grande desejo de conhecer

o poeta, de quem se tinha tornado admiradora conseguindo comunicar com ele através de um dos escritórios para

os quais Fernando Pessoa trabalhava, e marcar um encontro para o meio-dia, mas esperou inutilmente até às duas

da tarde sem que Pessoa desse um ar da sua graça. De regresso ao hotel, Cecília teve a surpresa de encontrar um

exemplar do livro Mensagem e um recado do misterioso poeta, justificando que não comparecera porque consultara

os astros e, segundo o seu horóscopo eles não se deveriam encontrar. Realmente, não se encontraram nem houve

muito mais oportunidades para tal, pois no ano seguinte Fernando Pessoa faleceu.

Em homenagem ao poeta, foi criada a Universidade Fernando Pessoa (UFP), com sede no Porto.

Fernando Pessoa foi o primeiro português a figurar na Plêiade, prestigiada colecção francesa de

grandes nomes da literatura.

(Collection Bibliothèque de la Pléiade). Ofélia Queiroz, sua namorada, criou um heterônimo para Fernando Pessoa:

Ferdinand Personne. "Ferdinand" é o equivalente a "Fernando" em alguns idiomas e "Personne" significa "ninguém"

em francês, residindo a curiosidade deste trocadilho no fato da possibilidade de Fernando ao criar outras personalidades,

não se sentir com um eu definido.

Nos Mal-Amados (2008), Fernando Dacosta relata uma conversa com Agostinho da Silva, onde refere que conhecera

pessoalmente Fernando Pessoa em Dezembro de 1934 e que o poeta confidenciara-lhe, envergonhado, que estava

muito arrependido por ter escrito as cartas de amor a Ofélia. Vira-se obrigado a fazê-la devido ao factor da irremediável

fantasia heteronímica. Como tal e para saber como seria o romance entre um vulgar empregado de escritório e uma sua

colega de trabalho, carente de afecto manteve e disfrutou do jogo durante algum tempo, mas, quando se apercebeu

da monstruosidade da coisa, decidiu por fim ao romance fictício, para não fazer sofrer uma mulher real e apaixonada.

Foram várias as formas de homenageadas encontradas por artistas nossos conhecidos como: Caetano Veloso, cantor

brasileiro que compôs a canção Língua, em que existe um trecho inspirado num artigo de Fernando sobre o tema

A minha pátria é a língua portuguesa, o trecho é: A língua é minha Pátria / E eu não tenho Pátria: tenho mátria

/ Eu quero frátria; o compositor Tom Jobim transformou o poema O Tejo é mais Belo em música; tal como Vitor

Ramil, cuja música Noite de São João tem como letra a poesia de Alberto Caeiro; a cantora Dulce Pontes musicalizou

o poema O Infante; o grupo Secos e Molhados musicalizou a poesia Não, não digas nada; os portugueses Moonspell

cantam no tema Opium um trecho da obra Opiário de Álvaro de Campos; o cantor Renato Braz traz no seu cd

Outro Quilombo duas poesias musicadas: Segue o teu destino, de Ricardo Reis, e Na ribeira deste rio,

de Fernando Pessoa.

Na área empresarial e a nível artístico, o jornal Expresso e a empresa Unisys criaram, em 1987,

o Prémio Pessoa, concedido anualmente à pessoa ou às pessoas de nacionalidade portuguesa que,

durante o ano transcorrido e na sequência de actividade anterior, se tenham distinguido na vida científica,

artística ou literária. A empresa Unicre, lançou em 2006, um cartão de crédito intitulado A palavra com

o intuito de dar oportunidade a cada um dos titulares, de poder gravar, à escolha, uma de 6 frases de Fernando

Pessoa ou dos seus heterônimos.

Luísa Abreu

09/10/09


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

MY WONDER MOON

video


MY WONDER MOON

Here comes a night
and for me it's the best part of the day.
Even if I'm alone
I still sing a song
no mather what people say
I don't have another way.

(Refrão)

Screamin' loud
a bottle on the ground
with my friends sitting around
don't really matter
what's going on
I just care about the song
Uh, uh, uh, I like the sunset
It brings me back the moon.

I look at the sun
it's already gone
the blue sky is turning black
I'm waiting for her
with my cigar box
it seems to be so different
it's all gone so quiet.

Refrão

When she arrives
I will sing all the songs that I know
until now it has been
this way


Hands & Approach - lyrics